Confiantes na transformação de vidas pelo poder do evangelho, seguimos avançando também nos presídios brasileiros. A Capelania Prisional Batista tem por objetivo liderar um movimento de plantação de igrejas em todos os presídios no Brasil, visando alcançar todos os presos com o evangelho. Para isso, foi estabelecido um trabalho de mapeamento, buscando não só a localização dos presídios, mas também as igrejas mais próximas a eles.

Hoje, o projeto é desenvolvido no Paraná com o missionário Luis Carlos, no Rio Grande do Norte com os missionários Dário e Pâmela, e em Minas Gerais com a missionária Mônica Peixoto, além dos mais de 300 voluntários em diversos estados do Brasil, buscando alcançar a população carcerária do país, que hoje já conta com mais de 600 mil presos.

Tema

Jesus: Transformação e Vida!

Texto bíblico

``Porque a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens.`` (Tito 2.11)

Música oficial

``Entre o Antes e o Depois`` (Filipe Bitencourt)

A história de Patrícia

Estamos tão habituados com a liberdade que só nos damos conta de quão preciosa ela é quando a perdemos. Sofremos uma catarse, um choque, ao conhecer mais profundamente a situação de um encarcerado. Imagine o que é passar grande parte da sua vida atrás das grades, pagando por crimes, justamente, ou não? O tempo deve passar de vagar, mas do lado de fora ele não para, e, na verdade, voa na alta velocidade das dúvidas e incertezas sobre essa lacuna de vida que não se sabe como está sendo preenchida.

Nosso primeiro pensamento é de julgamento. Entretanto, depois que mergulhamos no repertório de vida dessas pessoas, descobrimos que as circunstâncias, muitas vezes, não foram favoráveis também. Constatamos o real valor da família e das amizades na construção da sociedade e em como o meio influencia diretamente o futuro de gerações.

Patrícia caminha pelo Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto e carrega nos braços a pequena menina de que terá que se despedir em poucos meses, quando completará seu primeiro aniversário. Aos 31 anos ela não é mãe de primeira viagem, mas quer ter a oportunidade de refazer a vida de modo diferente: superando a dependência química e dando o amor que não soube entregar para todos os outros filhos. O sonho dela é deixar a prisão e reencontrar sua família.

Desde que a interna conheceu o projeto Casa Alma Livre, liderado pela missionária de Missões Nacionais Mônica Peixoto, que há mais de uma década trabalha com capelania prisional em Minas Gerais, ela acredita ter encontrado o apoio necessário para abandonar os erros do passado. Para Patrícia é a grande oportunidade de virada.

Como ela existem outras que estão se preparando para o dramático momento do adeus. A maternidade, naturalmente, é algo que sensibiliza até num rápido “até já”. Mas para onde correr? Como fugir quando seu principal rival é você mesmo?

Essas meninas têm conhecido um refúgio, um esconderijo em que podem descansar, ter abrigo, esperança e tratamento; onde podem recostar e ter as lágrimas enxugadas pela saudade de seus filhos e a certeza de um recomeço sem rótulos e vestígios. É no Altíssimo que tudo se faz novo e a transformação vai acontecendo um dia de cada vez, de grão em grão. Só o amor de Deus é capaz de vencer qualquer barreira para que elas acreditem que podem ir além do que o mundo espera.